João da porteira e os sete reinos sagrados

—Olá João da Porteira, como vai? Como foi de entrada de ano?

— Bom dia professor! Foi tudo bem e o sinhô?

— Graças a Deus estamos bem e na esperança que este ano seja um ano de boas notícias.

— É o que todo mundo deseja. Tenho fé nos guias e em minha mãezinha abençoada que este ano será o ano da renovação da vida.

—Que assim seja João!

—Faz tempo que eu não converso como o sinhô, já estava com saudades.

— Eu também João, gosto muito deste lugar e principalmente dos amigos que tenho aqui nesta terra. Sempre que posso venho aqui para o interior.

— Olha professor, foi bom o sinhô estar aqui, assim posso conversar um pouco com o sinhô e tirar algumas dúvidas.

— Estou a sua disposição, naquilo que puder ajudar.

— O sinhô sempre fala destes sete reinos sagrados, e eu confesso pro sinhô que ainda não entendi bem o que é isso?

—Vou tentar explicar para você João. É muito simples, e confesso que às vezes fico pensando que somente a Umbanda poderia vir abrir nossos olhos para um conceito tão simples e tão importante.

—Olha João, eu vou falar somente dos sete reinos, ainda não vou falar nada sobre a religião, a umbanda.

—Tá bom! O sinhô sabe que tenho minhas limitações, mas que sempre estou querendo aprender.

— Quando falamos sobre os sete reinos estamos falando sobre o planeta Terra, que é nossa casa.

—Sim, entendi. Tem gente que fala que a Terra é nossa mãe, não é?

—O importante João, é que todos nós dependemos do planeta Terra, em todos os sentidos, nossas lembranças, nossos antepassados, nossa cultura, nossa história, tudo tem ligação com o planeta que vivemos.

O planeta é o palco de tudo que acontece com a gente. Todos nós estamos enraizados espiritualmente com o planeta Terra, ninguém escapa desta condição.

— É verdade, o sinhô sabe que eu sempre pensei sobre isso.

— Então João, esta é a primeira situação. É termos consciência que vivemos no planeta, que todos os que nos antecederam também viveram no planeta, e que todos nós dependemos e somos resultado das forças existentes no planeta.

O João prestava muita atenção em tudo que eu falava. Percebi que ele queria aprender e como bom buscador, sempre estava com a mente aberta para novas ideias.

Continuei a falar.

— Então João, é importante que a gente conheça a história do planeta, como ele se formou e quais as forças que existiram e continuam a existir em nosso planeta.

— A doutrina dos sete reinos sagrados, fala sobre a formação do planeta Terra, e os sete reinos nada mais são do que as etapas da evolução planetária.

—Vou explicar pra você sobre os sete reinos! Vou contar uma história, e como se diz — história com H — pois é o que a ciência comprovou até o momento que estamos conversando.

— Mas sinhô, religião e ciência não são coisas diferentes?

— Olha João, eu penso que embora sejam ramos diferentes do conhecimento humano, acredito que ciência e religião devem caminhar juntas, pois somente assim encontraremos a verdade. Precisamos cada vez mais, como dizem nossos irmãos espíritas da fé raciocinada.

Não vou me estender nesta questão, porque nosso assunto é outro, mas acredito que a fé cega é muito perigosa, pois leva ao fanatismo. Ai a gente fica vendo estes fanáticos religiosos se explodindo e levando a tristeza e o sofrimento as demais pessoas e famílias.

Pessoas brigando por religião, guerras provocadas por motivos religiosos. Aqui no Brasil, estamos cansados de ouvir notícias de Terreiros invadidos e destruídos, por puro fanatismo religioso.

Eu penso que o homem nasceu para ser feliz, mas infelizmente ele se perde no caminho, e a religião infelizmente, em muitos casos, tem sua parcela de culpa.

Penso que necessitamos cada vez mais da fé e do conhecimento, ou seja, o conhecimento explicando as questões da fé.

Na umbanda temos um terreno fértil para muitas pesquisas e estudos científicos, e não estou somente tratando da questão histórica e cultural.

Falo de questões envolvendo a natureza do espírito, as curas espirituais, as magias, a mediunidade, os diversos tratamentos fitoterápicos, e muitos outros assuntos.

— Mas vamos voltar aos sete reinos.

— João, como você entende a evolução do planeta?

—Olha professor, eu estudei isso na escola, mas o senhor sabe que acabei deixando a escola, nos primeiros anos, pra poder ajudar meu pai a cuidar da terra. Não lembro muito deste assunto, e confesso pro sinhô que nunca mais conversei com ninguém sobre estes assuntos da escola. Eu sei que na bíblia fala que foi em seis dias que Deus criou o mundo e depois descansou no sétimo dia.

— Então João eu vou contar para você como o planeta se formou.

— Há muito tempo, e a ciência já conseguiu saber qual é este tempo, isso foi aproximadamente a 4,7 bilhões de anos, o planeta Terra começou a se formar. Era como uma “bola de fogo”.

— Na verdade era formado de rocha derretida, de alta temperatura, este núcleo era incandescente, pastoso, viscoso lembra muito o magma que vemos saindo dos vulcões. Você já deve ter visto na televisão, um vulcão e aquela rocha derretida escorrendo pela cratera.

— Este é momento do início da criação planetária e na doutrina dos sete reinos sagrados chamamos este momento inicial de Reino do Fogo, este é o primeiro reino. É aqui que tudo começa!

— Professor! Antes de o senhor continuar queria fazer uma pergunta. O que tem a ver a formação do planeta Terra, com a umbanda e com Deus?

— João, foi bom você perguntar. Nós que somos umbandistas, acreditamos que Deus é o criador de tudo que existe. Então quando estudamos a natureza e sua formação, estamos estudando o “pensamento” de Deus. Estamos aprendendo diretamente com Deus, como ele cria suas obras. E isso é muito importante para todos, sejamos religiosos ou não. Costumamos dizer que a natureza é o livro sagrado da umbanda.

— Entendi! Então na verdade, quando estudamos os sete reinos, estamos estudando Deus?

— Sim, podemos dizer que quando estudamos a criação de Deus, estamos também conhecendo e estudando como Deus cria, e desta forma conhecendo as leis de Deus.

— Vamos continuar com a formação do planeta Terra.

—Depois de alguns milhões de anos o planeta começou a esfriar. Sua superfície solidificou-se numa crosta delgada. Houve um período de tempo que se formou sobre o planeta a crosta terrestre, formada pelas montanhas, pedreiras, pedras, cristais e minerais.

— João este é o segundo período da formação, que chamamos de reino da terra.

— Você entendeu? Eu posso continuar?

— Entendi sim, sinhô! É aí que forma as pedras mais duras, são aquelas pedras escuras, às vezes eu acho algumas aqui na roça.

— Sim, são chamadas de rochas magmáticas. São rochas bem antigas. Neste período que falei tudo era rocha magmática, pois era o resultado do esfriamento do magma.

— Entendi professor.

—Depois de mais alguns milhões de anos, devido às atividades vulcânicas, foram criados muitos gases. Neste período é formada a primeira atmosfera terrestre.

Chamamos este período de reino do ar, é o terceiro reino sagrado.

—Até agora entendi tudo. São três reinos: fogo, terra e ar. É isso professor?

—Muito bem João da Porteira. É isso mesmo. Vamos continuar.

—Devido ao resfriamento houve a condensação do vapor de água, e muitas chuvas. Um verdadeiro dilúvio, ninguém sabe quanto tempo demorou, mas quando terminou as chuvas, estava formado na superfície da Terra o oceano primordial, que nesta época era de água doce e não salgada.

— Foi nesta época que os primeiros seres vivos apareceram nas águas.

—Professor, faz muito tempo isso?

—Sim, dizem os especialistas que foi aproximadamente a três bilhões de anos. Eram seres microscópicos, muitos simples, mas já tinham a capacidade de nutrir-se e de reproduzir-se.

— Então professor, este é o quarto reino? O reino da Água?

—Muito bom João! É exatamente isso!

—Foi no quarto reino que a vida surgiu no planeta e a partir dai se desenvolveram seres mais complexos.

—E o quinto reino professor? Quando foi?

—João o quinto reino demorou um pouco mais para surgir. Os seres vivos foram se tornando cada vez mais complexos e entre 395 a 345 milhões de anos, samambaias gigantes formaram as primeiras florestas. Muitas plantas e animais saíram das águas para a Terra. É nesta fase que tem a formação do quinto reino, o reino das matas.

— Chamamos o quinto reino de reino das matas, porque englobamos todos os seres vivos vegetais e animais.

— E finalmente João aparece o sexto reino, o reino da humanidade.

—Foi a cerca de 1,2 milhões de anos que surgiu o Homo habilis, em seguida o Homo erectus e finalmente o Homo sapiens, espécie a qual pertencemos.

Dizem os estudiosos, que os primeiros restos fósseis atribuídos a nossa espécie — Homo habilis — têm em torno de 300.000 anos. Este é o sexto reino, que chamamos de reino da humanidade.

— Então, João! Desta forma completamos a evolução do planeta Terra desde o principio até o aparecimento do homem em sua superfície.

— Eu entendi bem professor. Só fiquei com uma dúvida?

— Qual é João?

— E o sétimo reino? Qual é?

— Nós que somos espiritualistas, acreditamos que o ser humano tem um corpo físico e um espírito, então a partir do momento que o homem apareceu no planeta, passamos a ter no planeta Terra, um “mundo” espiritual onde estão os espíritos que encarnam e desencarnam aqui no planeta.

Nós chamamos este sétimo reino, de reino das almas.

—Agora entendi! Tá certo! Se tiver homem, tem que ter espírito.Não é isso?

— Sim João, e ai nós completamos os sete reinos sagrados:

Primeiro – Reino do Fogo

Segundo – Reino da Terra

Terceiro – Reino do Ar

Quarto – Reino da Água

Quinto – Reino das Matas

Sexto – Reino da Humanidade

Sétimo – Reino das Almas

— Muito bom professor. Agora entendi bem o que são os sete reinos. Mas e os espíritos e os Orixás? Onde estão nestes reinos?

— João, vamos deixar este assunto para nossa próxima conversa. Já está tarde, prometo que amanhã continuaremos nossa conversa.

— Tá certo professor! Boa noite! Até amanhã!

— Até mais João da Porteira!

São Vicente, 11/01/2022

Manoel Lopes

Você pode gostar...

Deixe um comentário